JoeyLiph

Felipe Vincent V., 20, Man, BrasilienSenast sedd: igår morse

13268 spelade låtar sedan 8 dec 2010

1 186 Älskade låtar | 0 inlägg | 1 blandband | 152 hojtningar

  • Lägg till som vän
  • Skicka ett meddelande
  • Hojta

Din musikaliska kompatibilitet med JoeyLiph är okänd

Skaffa din egen musikprofil

Senast spelade låtar

Hojtlåda

Lämna en kommentar. Logga in på Last.fm eller registrera dig.
  • MorriganBanshee

    kkkk, pergunta complicada sobre a situação musical aqui, e respondendo: sou da Bahia.Não saberia como definir de uma única forma, e sem ressalvas, o cenário musical daqui. Ao contrário do Sul e Sudeste, as produções musicais no cenário do rock, em geral, não são feitas com tanto respeito por aqui. O público geral creio que se encaixaria na "maioria do Brasil, consumidora de música decadente" kkkk. O cenário underground, o mais complicado de definir, o que sei sobre o metal nesse cenário é que dentre os jovens (entre 12 e 20 anos)mais da metade é apreciadora, a maioria é uma evolução(pior ainda) do "headbanguer - brasileiro - chato". Das bandas underground aqui conheço uma quantidade extremamente reduzida, é incrivelmente difícil achar algo sobre elas sem ter que sair de casa kkkk, gravações underground(quando achadas) se assemelham a rock de garagem. Já vi algumas que tem potencial, com composições muito boas mas incapacitadas de ter seu som avaliado pela péssima qualidade de gravação.

    12 dec 2013 Svara
  • MorriganBanshee

    [continuando o comentário abaixo] (last, aumente o limite de letras! kkkk).......nesse caso o inglês da banda (por pior que seja), asseguraria um pouco mais a aceitação da banda para o público brasileiro, assim como todo fator que a afaste o máximo possível da cultura do próprio país. Não generalizo, mas com a grande maioria de "heads" que conheço o negócio é demonizar tudo que não seja metal 'old school'.

    12 dec 2013 Svara
  • MorriganBanshee

    No caso do "público o bastante para consumir...." eu me referia a cena musical de uma forma mais generalizada, estou tentando organizar uma lógica aqui kkkk....hm, o público geral eu creio que se aplique ao que citei(desvalorizando as bandas de rock que temos por aqui), já o público headbanguer utiliza esse esteriótipo que você citou, nesse caso, discordo em parte do que o Jack Endino fala sobre se afastar do público brasileiro ao cantar em inglês. Como dizem por aí : "Headbanguer brasileiro é muito chato!", não dá oportunidade para bandas que façam algo diferente, não dá oportunidade para bandas que não cantem na "língua oficial do metal[inglês]", não dá oportunidade as bandas do próprio país, por rejeitar totalmente tudo que venha dessa terra, como você disse: "são influenciados pelo estereótipo de que tudo que vem de fora é melhor"....nesse caso o fato de uma banda brasileira cantar em inglês,.....

    12 dec 2013 Svara
  • MorriganBanshee

    Ah sim, esqueci de me ater ao fato da indústria musical e situação política do país em questão. Nesse quesito, o Oriente Médio está bem mais complicado que todas as outras áreas do mundo. A facilidade de produzir música profissionalmente nos EUA e na maioria dos países da Europa, são um dos pontos principais para uma banda, ao menos, ter a possibilidade de conseguir público, tanto dentro, quanto fora do seu próprio país. No Brasil, ainda é difícil conseguir sobreviver profissionalmente na questão da música, conseguir patrocínio, gravadora, e principalmente: público.

    12 dec 2013 Svara
  • MorriganBanshee

    Folk, sem dúvidas, é um dos sub gêneros do metal mais vastos na questão da singularidade, podemos encontrar bandas seguindo diversas culturas antigas e utilizando elementos que diferem muito entre sí, desde flautas (*.*) até os violinos do Ulytau (*..*) kkkk. Enquanto no thrash já se usa uma fórmula bem limitada em relação a diferenciações. Bom, minha relação com a música clássica é uma coisa bem aleatória, a admiro muito (Tchaikovsky :3,rs), mas não tenho o costume de me aprofundar em conhecimento nela, como faço com as bandas... um dia ainda farei isso...

    12 dec 2013 Svara
  • MorriganBanshee

    5x mais rápida que a anterior, suponho que a anterior não fosse muito veloz. Se bem que eu suponho que a anterior fosse de 5mb, certo? Se fosse, ainda superaria a minha kkkkkk. Até dá pra eu ficar sem internet (até já fiquei quase um ano todo sem), mas durante dias se torna meio assustador kkkk...pelo menos até se acostumar.

    12 dec 2013 Svara
  • MorriganBanshee

    Muito interessante os comentários dele [Jack Endino], infelizmente a forma como ele se expressou se mostrou 'um tanto' grosseira e restrita.E ainda há a liberdade para os músicos de escolherem a forma em que se sentem mais confortáveis(acho que se vai cantar em determinada língua,deve-se entender dela, no mínimo). É de extrema importância a valorização, ao menos, da própia língua(infelizmente a desvalorização do nosso português, já vem com o desprezo educacional ao que a rede pública do país está jogado, se bem me lembro, dentre 60 à 70% da nossa população é analfabeta funcional, semi-analfabeta, ou analfabeta. É um número mais que alarmante, decepcionante ler algo como isso...enfim, voltando ao assunto principal....) Essa desvalorização crônica, gera incapacidade em compreender uma letra mais bem feita e complexa, o que torna uma língua 'estrangeira' muito mais palatável pra essas determinadas pessoas(grande maioria do país), não se entende nada mesmo, na maioria das vezes.

    10 dec 2013 Svara
  • MorriganBanshee

    Talvez a escolha do inglês, para eles, seja uma forma de assegurar essa projeção.

    10 dec 2013 Svara
  • MorriganBanshee

    Em países europeus, mesmo cantando em língua nativa(me refiro as línguas menos faladas do mundo, certamente o finlandês está dentre elas, ainda vou pesquisar isso um dia,rs) a música tem muita importância pra eles(e como eu sempre digo, a arte em geral também se inclui nesse meio), e há o espírito nacionalista muito forte. Só esses pontos já ajudam a lançar uma banda para um reconhecimento maior, unindo-se ao fato de a Europa ter uma maior capacidade de se projetar para 'fora de sí mesma'. Talvez isso explique a quantidade grande de bandas "incomuns" vindas de lá, que obtém muito sucesso no mundo todo.

    10 dec 2013 Svara
  • MorriganBanshee

    kkkk, agora eu não consigo parar de falar também. Passando pra outra parte....nós temos população o bastante pra consumir e 'sustentar' sozinhos o que se lança em nosso país, mas infelizmente ainda há muito preconceito com músicas que diferem dos nossos 'patrimônios culturais', ainda pode-se valorizar esse patrimônio(agora me veio a dúvida se valorizar, seria necessariamente consumi-lo,nesse quesito eu estaria sendo hipócrita por não consumir, mas vamos fingir que esse momento nunca ocorreu? kkkk) sem necessariamente desprezar qualquer coisa que difere dele. E pra tornar a situação ainda pior, patrocínio a arte aqui é algo vergonhoso. E pra piorar mais um pouco(sendo redundante -.-) nem os principais consumidores do mercado musical ao qual nos referimos(rock em geral) não valorizam, só o fato de determinada banda ser de nosso país, já a torna mais desprezada preconceituosamente por certas pessoas que acham que "rock de verdade é só em inglês e ponto".

    10 dec 2013 Svara
  • MorriganBanshee

    (continuação do comentário abaixo, que o last censurou a quantidade de caracteres -.-,agora até o last me trolla ¬¬).....é muito mais arriscado, ás vezes também é muito mais sofrível alcançar um reconhecimento de seu trabalho. Me pergunto, quantas bandas tão boas quanto as europeias/norte-americanas não existem no Oriente Médio?Mas creio que a maioria delas não adota os mesmos padrões-comuns que eu falei, e por isso não alcançam o reconhecimento merecido. Isso não ocorre somente com o Oriente, também pode acontecer em várias áreas da América, ou da África, e pouquíssimas, ou nenhuma, tem dado reconhecimento. Creio que seja até complicado ter seu material devidamente avaliado e patrocinado em algumas regiões.

    10 dec 2013 Svara
  • MorriganBanshee

    Ulytau é muito boa, e unir a belíssima música clássica com metal é uma das combinações mais inteligentes e interessantes e conseguir encaixar elementos da cultura oriental realmente torna-os muito dignos e talentosos. Nesse momento ando me identificando mais com o folk, então Amaseffer me atraiu muito ^^. Ainda hà oportunidade pra num futuro próximo Ulytau ter um espaço considerável na minha biblioteca >.<. No mundo musical mundial (e em todos os outros elementos da arte) o Oriente Médio sofre um imenso preconceito e desprezo, acho interessante valorizar todos os "cantos do mundo", ao invés de se focar somente nas produções europeias ou norte-americanas. Além do que dissemos sobre a língua adotada ser em geral o inglês, o modelo/a forma como se faz arte baseada nas influência desses locais(principalmente a América do Norte) é muito mais valorizada e consumida, é algo facilmente comercializado. Quando se usa um 'molde' fora dos padrões comuns desses locais, é........

    10 dec 2013 Svara
  • MorriganBanshee

    Minha internet anda até mais comportada ultimamente, mas acontecia com frequência o problema de ficar sem acesso por, pelo menos, algumas horas do dia. Fora ela ser bem lentinha também, mas como em breve trocarei por algo mais digno, nem reclamo muito kkkkk. Bom, meio complicado de explicar essa complicação rs, nada tão grave....mas espero que tudo se resolva, creio que já esteja acontecendo....... Vou revirar o Google atrás de informações da Música Profana, se achar algo substancial, te informo ^^.

    10 dec 2013 Svara
  • MorriganBanshee

    Entendo, a escolha do inglês como língua "oficial" da banda só é a atitude mais segura quanto a popularidade mais fácil no mercado. E realmente não faria muita diferença nesse quesito, uma banda que cante em sua língua nativa(que não seja o inglês), mas seja em outros aspectos 'mais do mesmo' trabalhado de uma forma sem tanta qualidade. É mais válido uma banda que trabalhe de uma forma comum mas com qualidade, que uma que inove, mas em qualidade não tenha grandes proporções.

    4 dec 2013 Svara
  • MorriganBanshee

    Nossa, muito bonito o som da Ulytau, fui procurar a Amaseffer no youtube, é um folk de qualidade excelente *O*. Ambas tem uma originalidade muito forte. Preciso ouvir mais o material delas :3. Bom, se continuar me mostrando bandas tão boas nessa velocidade, nunca conseguirei terminar a discografia de todas,rs. :3

    4 dec 2013 Svara
  • MorriganBanshee

    Pela primeira vez na vida? Diante da minha internet, considere isso uma sorte kkkk. As coisas andam meio complicadas por aqui, mas até que está tudo bem(sim, essa frase não faz sentido...) kkkk. Mas e por aí, novidades?rs. Bom, vou dar uma pesquisada nesses projetos da "Música Profana" pelo youtube. Bela banda.

    4 dec 2013 Svara
  • MorriganBanshee

    Nossa! Banda israelita de metal, realmente eu ando desinformada sobre o lado oriental do universo kkkkk. Muito boa, e bem diferente do que estamos acostumados a ouvir *u*. Realmente, o inglês se tornou algo comum no nosso dia-a-dia, é a língua oficial da Globalização. E, apesar de não conferir um ponto a mais na originalidade das bandas, ele as possibilita um mercado mais amplo e de fácil aceitação. Você acha que de certa forma, isso poderia tornar a arte(em especial, a música) mais 'pobre'?Essa forma como ela é produzida se adequando às características comuns da Globalização(principalmente a língua), de certa forma, isso a tornaria algo um pouco mais "enlatado", feito para um consumo mais amplo?

    29 nov 2013 Svara
  • MorriganBanshee

    Týr é muito bom :3, vá já fazendo sua aposta aí que minha biblioteca promete kkkkk. Todas as superstições de ano novo servem pra ajudar a categoria kkkk, que 2014 seja positivo pra nossa amada Rock & Pop!

    29 nov 2013 Svara
  • MorriganBanshee

    Dorsal Atlântica é muito boa, ainda não ouvi muita coisa dela.Ao lado de Salario Mínimo eu adicionaria Harppia(ouço mais que a anterior). Achei a Luxuria de Lilith muito interessante =3. Obrigada^^,gostei bastante da 'Música Profana'. Me indicaria algum álbum em especial?

    27 nov 2013 Svara
  • MorriganBanshee

    É um ponto de vista muito interessante =3. Realmente, quando ouvimos bandas cantando em uma linguagem a qual não estamos acostumados(tanto nós a ouvir, quanto os músicos a compor), acaba sendo estranho no início, mas logo tona-se algo normal. As poucas bandas que quebram a barreira do comum, tem uma originalidade muito maior em comparação as outras e tornam-se muito mais interessantes pra mim.

    27 nov 2013 Svara
  • Alla 152 hojtningar

Om mig

Senaste aktiviteter

Grupper (9)

Se mer