Artiklar

  • Filmes e a Psicologia

    2 apr 2010, 01:44 av Bglauben

    E aê, pessoas! Como vai a vida? *não precisam responder a essa pergunta, tá?*
    Essa semana eu assisti à três filmes: O Livro de Eli, Contatos de 4º Grau, e hoje eu assisti à Ilha do Medo. Irei fazer comentários sobre cada filme, mas darei ênfase à Ilha do Medo e Contatos de 4º Grau. Let's go!

    O Livro de Eli: Bom, irei falar desse filme só pra deixar uma dikona pra vocês, O FILME É UMA MEERRRRDA! ù_ú Tipo, não poderia ter uma história mais clichê do que "a bíblia ser o livro que salvará a humanidade". Eu assisti junto com mais dois amigos e quando caiu a ficha que o livro era a bíblia, tivemos a vontade de sair correndo daquela sala! E não foi só a gente! Todos na sala começaram a chingar com força... Mas enfim, como dissemos, o que importou foi o momento com amigos =p
    Agora vamos falar de como os outros dois filmes tem algo em comum: a psiquiatria.
    Contatos de 4º Grau: Não vou mentir que compramos o piratex para assistir, mas também não tinhamos outra escolha! Acho que o filme ficou menos que uma semana em cartaz. Quando fomos ver, o canto mais limpo! Enfim, apesar de não ter ficado com medo, como todos disseram, eu gostei da história. Por mais que eu acredite que haja vida em outros lugares do cosmo, eu acho bastante improvável que tais formas de vida entrem em contato conosco, muito menos abduzirnos! Mas o intrigante daquele filme, é porque são mostrado os dois lados da história, e cabe a você decidir se é verdade, mentira, ou simplismente um caso de esquisofrenia ou qualquer outro distúrbio psíquico.
    Ilha do Medo: Antes de mais nada queria dizer que não entendi muito bem o filme e que pretendo vê-lo novamente pra entender =p. Mas pelo o que eu entendi, 98% da história é simplismente criação da cabeça do carinha lá e que tudo por trás disso são experiências psicológicas com intervenção cirúrgica... massa, né? também achei...

    Depois de assistir a esses três dois filmes, eu parei pra repensar algo que eu já penso a muito tempo: TUDO que nós vemos, sentimos, pensamos, temos noção, percepção... são frutos da nossa mente, então algo que vemos, pode na verdade não ser aquilo, mas são formas que nosso cérebro usa para interpretar e, conseqüentemente, sobreviver no mundo. Quando se começa a entender como nosso cérebro funciona, você para pra ver que coisas não são com elas são... irei mostrar alguns exemplos:
    Visão: a visão é nada mais que a interpretação dos nosso cérebro às radiações de determiadas freqüências emitidas por vários objetos.
    Audição: como na visão, são apenas interpretações de certas freqüências de ondas emitidas pelo choque de uma quatidade relevante de moléculas.
    Ofato: as reações químicas ocorrentes entre substâncias, em sua maioria, biológica, emite moléculas que são tranportadas pelo ar e são interpretadas pelos sensores em nosso nariz, que são interpretadas pelo cérebro.
    Inteligência e Raciocínio: o ser humano é único na natureza pelo simples fato de conseguir fazer associações entre fatos e eventos, ou seja, não é algo muuuuito diferente dos restantes dos animais, mas essa pequena diferença nos torna capazes de pensar e raciocinar.
    Entre muitas outras coisas.

    Certa vez eu li no livro Breve História de Quase Tudo *muito phoda; recomendo* sobre a Lei da Relatividade de Einstein. Ela diz que se formos muito rápidos, iremos ver as coisas paradas mais achatadas, mas que pra essas coisas, ela quem terá aumentado de tamanho (e peso), por isso que existe a teoria de que se viajar próximo à velocidade da luz, a massa do corpo irá aumentar.
    Mas eu fiquei me perguntando: "será que as coisas realmente ficam mais achatadas, ou será que nosso cérebro que não consegue ver as coisas em alta velocidade?"
    Aff, agora me deu vontade de falar sobre minhas teorias xD depois eu faço um post sobre isso também *só fico nas promeças, hein?*

    Não ireri me prolongar o post já tá chato grande demais! xD
    Mas é issoaê! Sempre que você vê algo, pare para pensar que aquilo pode não ser aquilo =x

    Até minha próxima promessa de post! o/

    Ouvindo agora: Minerva e Χάσμα
  • Longe; Mais Longe Ainda

    25 mar 2010, 15:59 av Bglauben

    E aê, pessoas! Eu tinha prometido que voltaria na quarta-feira (ontem), mas minha internet simplesmente não funcionava! Então cá estou para mais um post! E hoje, como também foi prometido, falarei da minha longínqua vida de subúrbio. Comecemos, pois.

    Para vocês entenderem melhor, irei dividir as vantagens e desvantagens de morar onde eu moro rsrs. Primeiro vamos à localização:

    calma que a imagem irá aparecer

    Vocês conseguem enxergar os dois alfinetes amarelos? Poisé, um é Minha Casa e o outro é Minha Faculdade, olhem como é longe! Mas a lonjura não a única coisa ruim.

    Vantagens: São poucas as vantagens, por isso deixarei para falar das desvantagens depois. A primeira vantagem visível é o fato de morar num lugar seguro, já que o condomínio investiu bem na parte de vigilância eletrônica ano passado; outra coisa boa é o sossego, já que mora ninguém aqui! Pra vocês terem noção, o condomínio tem 120 apartamentos e só em 5 moram pessoas o ano todo. Todos os outros 115 apartamentos só são ocupados em feriadões, férias, verão, carnaval... essas coisas. O problema é que é IMPOSSÍVEL ficar por aqui nessa época porque fica um som ligado nas alturas tocando aquelas merdas músicas que eu já comentei aqui em outro post, vem muuuuito cafuçú *eu já expliquei o que é cafuçú? Não. "Cafuçú" aquele tipo de povo que não tem noção das coisas, como por exemplo se vestir! Eles usam shortinhos micro-curtos, camisas mostrando a barriga o buxo, cabelos descoloridos de forma, no mínimo, estranha e, principalmente, com gosto musical discutível* e esses cafuçús ficam jogando farofa e galinha na grama, fazendo coisas humanas (se é que vocês me entendem) na piscina, ficam gritando pra chamar a atenção... essas coisas! Isso já foi uma desvantagem, né? Então só considerem a parte do "sossego" =p. E a última vantagem é a praia! Não que eu goste de praia, mas é bonito ficar olhando o mar azul e a areia branquinha.
    Agora vamos ARREGAÇAR nas Desvantagens: Primeiro a óbvia distância. Eu levo nada menos que 1h pra chegar na faculdade, isso quando não há trânsito, porque quando há, pode botar mais de 2h! Isso é péssimo não somente pela aula, mas meus amigos marcam pra sair, digamos às 14h, só que eles só ligam pra mim às 13:40h esperando que eu chego cedo! Aí eu digo logo: "ah, fifi, vou não! Daqui que eu me arrume e saia, vai ter acabo a farra já!". Outra desvantagem é a falta de opções de entretenimento aqui no bairro, tem nada aqui! Não tem lanchonetes, não tem academia (que preste), não tem bares, não tem boates, não tem praças (a única que tem é ocupada pelos mendigos)... Meu bairro só ganha vida no verão, quando abrem 8347823 bares e lanchonetes com pessoas de classe e/ou estilo cultural (e com dinheiro para pagar as coisas para mim risosrisos). Outra desvantagem são as opções de transporte: ou você vai de carro, ou vai você vai na ÚNICA linha de ônibus que passa por aqui, na qual só passa ônibus de 30min em 30min pela manhã e 1h em 1h à tarde e à noite... DIGAÍ!!! ù_ú Outra desvatagem (a qual eu considero a PIOR DE TODAS PARA SEMPRE é a falta de meios de telecomunicação. Aqui não pega tv à cabo, internet à cabo, não pega 3G e na tv aberta só pega dois canais (quem nem preciso dizer quais) *meu deu vontade de fazer um post sobre televisão... irei fazê-lo em breve!*. E pra terminar a vizinhança. As únicas pessoas que moram por aqui são idosos aposentados que passam o dia na rede olhando a vida passar; não tem ninguém da minha idade ou muito menos com os mesmos gostos que eu para conversar, sair, ir na praia, essas coisas. A única vizinha que é minha amiga já é adulta com responsabilidades que trabalha todos os dias num empresa super barão e que cobra muito dela só porque ela é chefe da divisão, ou seja, nunca temos tempo para nos encontrar =/

    Eu tô dizendo isso porque eu vejo como as pessoas tem amigos de vários lugares da vizinhança, do colégio, das farras... e eu só tenho amigos dos lugares que estudo, nada mais! E eu vou nem mentir que tenho inveja (inveja boa, claro) das pessoas que se reúnem com os vizinhos para conversar, jogar bola, caminhar... é massa! =]

    Então é isso, pessoas que têm vizinhos, aproveitem para conversar com eles! Eles podem ser seus melhores amigos!

    Beijosnãodêemtoquespirangueiro! o/

    Tocando agora: Disclaimer

    PS.: não tenho nada contra os idosos, muito pelo contrário, eu gosto deles e isso é provado pelo carinho que tenho com minhas avós (meu avôs já morreram ='/) e pelo carinho com minhas tutoras que também já são idosas.
  • Mallu Magalhães e o Rebolation

    24 mar 2010, 00:49 av vikolins

    Um dia desses eu estava num chat do MSN conversando com um amigo meu sobre músicas e artistas brasileiros, até que chegamos na artista juvenil brasileira mais famosa atualmente: Mallu. Mallu Magalhães, apesar de seu sucesso pré-maioridade, é criticada por vários fatos.

    Tirando as questões pessoais, o maior problema se faz a respeito das letras de suas músicas serem em inglês, não em português (como é de costume a 99% de qualquer artista que faz sucesso nacional), e dessa forma, ela não estaria ajudando a valorizar a cultura nacional (!), se rendendo a um "simples americanismo típico da globalização (!!) num tempo em que a cultura brasileira é desprezada".

    Peraí! Por acaso um artista brasileiro que compõe canções em outra língua (como o inglês) é um "americanizado", "banal", que desrespeita a própria cultura? Será que essa "luta" entre cultura brasileira x americana é real ou é somente invenção de uma elite intelectual?

    O mais engraçado é que, enquanto os intelectuais reclamam que a brasilidade não é valorizada, vejo em todo barzinho algo que não poderia ser mais tipicamente brasileiro: o rebolation-tion. Tá aí, tocando em todas as rádios, festas e programas de TV. Por acaso estamos num outro mundo em que músicas em português são banidas e toda hora toca uma música americana? Acho que vocês podem responder isso sozinhos.

    Afinal, por que implicamos com uma única artista que canta em inglês, acusando-a de destruir nossa cultura, quando ela está simplesmente correndo solta na forma do Rebolation?

    Não se enganem, a globalização não destrói nenhuma cultura. Nenhum português deixou de escutar fado, nenhum alemão deixou de curtir as músicas de sua própria lingua, assim como nenhum país latino-americano abandonou o espanhol pra falar inglês de uma hora pra outra.

    Não consigo ver outras razões para essa rejeição. Talvez seja uma forma de vingança histórica ou de preconceito contra "os capitalistas opressores do Norte", como se um povo inteiro pudesse ser generalizado pela ação de poucos. Assim como somos generalizados pelo país do futebol. (Não, revidar NÃO é uma coisa boa).
  • Fim-de-Semana e o Rádio

    21 mar 2010, 00:17 av Bglauben

    Isso ainda existe?
    Desde que começou o segundo semestre da facul que eu esqueci o que é "fim-de-semana", é sério! Nas sextas-feiras eu nem me empolgo mais, já que eu sei que ficarei o sábado e domingo em casa estudando e dando um de escravo lêlêlêlê, lêlêlêlêlê ajudante de casa.
    Mas também não tenho muito o que reclamar, eu não gosto muuuito de sair de casa, só quando é pra sair com grandes amigos! Mas, sei lá, ficar em casa todo o fim-de-semana com a cara num atlas de anatomia é muito deprimente! Além disso, eu moro no subúrbio longe bagarai *um dia escreverei um post sobre minha longínqua vida* e isso também atrapalha, já que eu ainda dependo dos transportes público para me deslocar...
    Mas vamo tomar a vida pra frente!
    Antigamente eu adorava passar o fim-de-semana em casa, no msn conversando por horas, ficar jogando online o dia todo, ouvindo músicas que super empolgavam, mimijando de rir com Explosm e ficar curiando o mundo (literalmente) no Google Earth... Mas as coisas mudaram. Hoje eu ligo o computador e vejo Orkut (algo que RARAMENTE tem novidade), vejo o Twiiter (algo que RARAMENTE tem novidade interessante), abro o Explosm e não riu dos comics, ligo o iTunes e fico sem saber o que ouvir, a tv tá quebrada há anos, as conversas do msn não saem do:
    Bruno Medeiros diz:
    -Olá, fulana! como vai a vida?
    Fulana diz:
    -Vai bem, e a sua?
    Bruno Medeiros diz:
    -indo... quase parando, vou nem mentir...
    Fulana diz:
    -é...
    Bruno Medeiros diz:
    -é...
    Fulana está offline.

    Hoje a situação tá tão crítica que eu fiz algo que nunca costumei fazer na vida (a não ser no carro): ouvir o rádio! Passei nada menos que 2:30h deitado na cama segurando meu iPod (o qual eu ganhei num concurso do VKontakte) ouvindo a Club FM e a Mix, até que adormeci. Acordei quase agora, desorientado, perguntando pra minha mãe se eu já tava atrasado pra prova! xD *detalhe que a prova só é quarta-feira!*
    Poisé, depois de ter ouvido o rádio (mesmo dormindo), eu notei que o rádio é muito mais legal do que achamos! Hoje em que vivemos na época da tv por assinatura e a internet, esquecemos do velho e simples rádio. Eu achei legal ouvir aqueles jingles e aquelas musiquinhas feitas para a abertura dos programas; sem contar que, diferente da tv, nos intervalos dos programas se toca música e não fica naquelas propagandas sem fim! Outra coisa que também percebi, é que as piadas no rádio são mais engraçadas *talvez pelo fato de a gente não ver aquelas caras forçadas pra te fazer rir forçadamente*.
    Além de ver ouvir o rádio simplismente ouvindo-o (?), eu parei para analisar a física da coisa: as freqüências próximas das extremidades (88,0MHz e 107,0MHz) têm o som com menos qualidade, mais roucos e com chiados; e as freqüências mais medianas (entre 96,0MHz e 98,0MHz) têm um som mais nítido e com o volume mais alto. Também parei para analisar que os rádios na América possuem freqüências diferentes das de outro lugares como a Europa e o Japão *informação bastante útil, né? -n*.E podem parar para ouvir, as músicas quando tocadas no rádio mostram seus ínfimos detalhes, coisas que o som digital esconde!

    Então é só isso que eu queria mostrar hoje, pessoas. Não desprezem tanto o rádio, vamos ouvir de vez em quando; escutem o rádio no carro ao ínves dos mp3's.

    E eu acho que volto depois da prova quarta-feira, pessoas! Té mais! o/

    Ouvindo agora: Χάσμα
  • "Vou Nem Mentir"

    17 mar 2010, 21:09 av Bglauben

    Hoje falarei de dois assunto: vícios de linguagem e sotaques. Dois assuntos? Sim, tô empolgado pra falar escrever hoje. =p

    Vou nem mentir que eu viciei nessa frase do título... Mas porque isso aconteceu?
    Bom, todos sabem que no nosso querido e amado português há muitas expressões, variações e vícios de linguagem *muitas delas deconhecidas por mim, vou nem mentir*. Então quando existe muito contato com várias pessoas de diversos lugares do país, você acaba absorvendo várias expressões e vícios.
    Isso ocorreu comigo devido à faculdade. Como é um curso concorrido, muitos vêm de outros lugares para estudar aqui, e essa mistura não é pequena: cearenses, tocantinenses, goianos, mineiros, cariocas, paranaenses, pernambucanos, paraibanos e baianos; sem contar as pessoas que vieram dos diversos interiores norte-riograndenses, principalmente de Mossoró (pense num lugar queeeente! Vou nem mentir).
    O problema é que eu, uma pessoa que vê graça em tudo, acho tudo que é vício de linguagem engraçado e logo pego a mania de ficar falando demasiadamente! Isso é horrível! Desde que eu entrei na facul, que eu não paro de falar expressções novas e, o pior de tudo, PEGAR SOTAQUES! <o>
    Mas é castigo *é só outro vício de linguagem, já que eu não acredito nessas coisas, vou nem mentir*! Eu sempre tirava onda com o sotaque dos pernambucanos porque eles chiam no 'S' no fim da palavra, exemplo:
    "Vocêx vão maix tarde pegar o ônibux das duax?"
    Sim, eu costumava me cagar de rir disso e eu hoje eu tô falando assim!
    Outra coisa que eu achava engraçado/bonitinho era a forma como minha amiga de Tocantis pergunta as horas:
    "Ei, cê tem quantas horas aí?"
    A gente tem hora? Quem tem hora é o relógio! rsrs *sem graça, vou nem mentir*
    Mas é isso aí, viva a globalização! Um dia todo o país terá um único sotaque!

    Agora falando exclusivamente de sotaques: Eu super me revolto como as pessoas de uma região zombam dos sotaques de outras regiões. Vou nem mentir que isso é perfeitamente notável no sudeste. Claro que não são todos, mas tem uns gaiatinhos que fazem isso na cara de pau! Mas saibam vocês que tiram onda que nós também tiramos ondas de vocês! É, vou nem mentir quanto a isso!
    Minha gente, cada lugar tem seu sotaque! Tipo, rir ou achar engraçado (como eu fazia com os pernambucanos risos risos) é legal, aceitável, um rir do outro e pronto. Mas humilhar ou até mesmo excluir alguém por causa do sotaque é ridículo! Vejam o que aconteceu comigo quando eu tinha 14 anos:
    Eu fui a Brasília e passei cerca de um mês lá. Eu nunca fui tão humilhado na vida como fui nesse mês! Juro como deu vontade de usar a linguagem dos mudos! No shopping, eu cheguei no McDonald's e disse:
    "Moça, quero um sorveTe De chocolaTe, por favor"
    A dona-moça fez aquele risinho desgraçado de canto de boca e repetiu:
    "De chocolaTTTTTTe?!?!"
    Eu fiz uma cara de e repeti:
    "Sim, De chocolaTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTe!"
    Absurdo, né? Também acho...
    Só o que me revolta mais que isso, é alguém de outro lugar tirar onde do sotaque daqui ESTANDO aqui! Se acha ruim, VÁ EMBORA! Digo mermo, vou nem mentir!

    Então é isso pessoas, brinquem com os sotaques e talz, mas não cheguem a humilhar. Isso cria até um laço de ódio entre regiões e já existe tanto preconceito das pessoas do sul com as pessoas do norte... =/
    Queria muito morar num país onde eu pudesse falar livremente sem sofrer preconceito, vou nem mentir! =p

    Então até um futuro próximo, pessoas! o/

    Tocando agora: Story of the Year
  • Passado, Presente e Futuro

    14 mar 2010, 20:36 av Bglauben

    Todos os estudantes do colégio já passaram por isto: enquanto estuda no colégio, tudo que ele mais quer é acabar logo pra se livrar das provas e entrar logo na vida de vagabundagem e perdição universidade! Porém todos eles se arrependem ao ver que, depois que o colégio acaba, fica mais distantes dos verdadeiros amigos (pelo menos com a grande maioria é assim, né?).
    Poisé, como eu disse no post anterior, eu terminei o ensino médio em 2008 e havia 2 anos que não reuníamos a turma; nos reunimos ontem. Caramba, mesmo depois de fazer amigos na faculdade e talz, pra mim, os meus MELHORES ainda são os do colégio (e sempre serão fikdikona). É com esses amigos que você cresce, cria uma personalidade, define você pelo resto da vida! Já os amigos da faculdade são mais uma conseqüência da convivência, mas é MUITO DIFÍCIL encontrar alguém com quem você se identifique (comigo é assim, não sei com vocês).
    Vamos exemplificar essa história, já que eu hoje eu não tô muito bem com as palavras risos risos: na faculdade, não exite NENHUMA PESSOA SEQUER com quem eu fale assuntos que me interessem ou assunto que, pelo menos, mostram o nível de intelectualidade das pessoas! Lá só se fala de bebida, festa e futebol! Aff, é revoltante! Ontem na festa da turma do colégio, eu fiquei muuuuito feliz em poder conversar sobre carros, ciência, sociedade, ouvir as mesmas músicas, relembrar as mesmas histórias e rir das mesmas piadas... foi ótimo!
    Depois da festa, ainda dormir na casa do meu melhor amigo! Tava com saudades de lá, do pessoal de lá, da comida de lá (lê-se: creme de galinha), do cheiro de lá -q! =p
    Aliás, foi com esse meu amigo que hoje eu tenho essa personalidade: estilo musical, jogos, vídeos, risadas, piadas internas... Velhos tempos. =)

    Infelizmente não é todo dia que nos vemos, como antigamente. Mas espero fazer o possível para sempre estarmos nos reunindo, nem que seja por uma hora, um dia ou um feriado; nem que seja pra comer, beber (falou com bebe! *ironia*), falar besteira ou só mesmo tirar uma foto para guardar de lembrança. =')
    Então fikdik pra vocês, pessoas que ainda estão no colégio: aproveitem! Conversem com seus amigos todos os dias, esqueçam um pouco as provas! Vão para todas as festas, todos os churrascos, todos os aniversário; tirem fotos, bastante fotos, de tudo: de um abraço, de uma conversa, de um lanche. E pra quem já saiu, não deixem de manter o contato! Liguem um para o outro, marquem festas, reencontros.
    Não troquem seus velhos amigos pelos novos!


    Saudades de todos!


    Ouvindo agora: Static-X
  • Religião ou Escravidão?

    11 mar 2010, 20:47 av Bglauben

    Eu tô falando em outro assunto polêmico (religião) mas eu realmente quero que vocês reflitam sobre a pergunta feita no título.
    Para isso, irei mostrar um exemplo da minha vivência:
    Já há 2 anos que terminamos o colégio e nossa turma não se vê desde o término. Então decidimos marcar uma festa para reunir a galera este sábado e praticamente toda a sala se prontificou a ir (só não vão os excluídos menos entrosados com a turma). Porém uma amiguíssima minha e amiga de TODA a turma disse que não poderia comparecer à festa porque tinha a reunião do grupo religioso lá. Mas aí eu me perguntei (e perguntei a ela também): "custa faltar apenas uma semana pra ir a uma festa importante da turma? essa reunião do grupo tem toda semana". E a resposta foi não rs.
    Eu me revoltei (de verdade)! Caramba, se deus realmente existe, ele não quer que sejamos escravos dele não! Pelo menos eu acho que não, é assim que o mundo me passa a idéia de que deus quer somente o melhor para todos e blábláblá e não que fiquemos babando aos seus pés...
    Religião é algo muuuuuito hipócrita, por isso eu prefiro pensar nas teorias científicas, já que ela são completamente imparciais (além de estimular algo que só o ser humano tem: curiosidade =p)

    Poisé, pessoas, quero que pensem sobre isso. Eu não julgo quem tenha uma religião ou acredite em algum deus, eu só quero que parem para pensar sobre "o que a religião quer realmente de você".

    Tchau! o/

    Tocando agora:
    Forsaken
  • Evolução(?) Natalense

    11 mar 2010, 00:27 av Bglauben

    É fato que o Last.fm vem se tornando cada vez mais popular entre os brasileiros e eu tenho notado essa evolução aqui em Natal, particularmente. Eu digo isso pelo grupo de Natal e pelos meus amigos que sempre aparecem com contas novas. Pra ter uma noção, quando eu entrei no grupo, eu fui o 101º membro, ontem eu olhei e já tinham uns 395 membros! Sem contar que quando fiz minha conta, meu único amigo era ultraviolette e hoje, a maioria dos meus amigos próximos já têm conta aqui no Last.fm!
    E porque isso é tão legal? O Last.fm (mesmo que vocês não percebam) influencia na forma que as pessoas escutam música! Subconscientemente você quer ouvir música "da moda" ou as músicas que deixam seu perfil bonitinho. Uma prova disso é ver que são os pouquíssimo perfis natalenses que possuem Garota Safada ou Asa de Águia como os artistas mais ouvidos, mesmo sendo o estilo musical mais adorado pela grande maioria da população, infelizmente.
    Já que tocamos nesse assunto, gostaria de falar sobre os gostos musicais das pessoas *é só minha opinião, ok?*. Primeiro falar do forró: eu me lembro quando o forró realmente era música cultural e romântica, com letras bem projetadas e ritmo envolvente; hoje o forró tá prostituído. As músicas só falam putaria de sexo, chifre traição e rapariga prostituta; sem contar nos forrós que nem letra tem e fica só no "paraparapara, perêperêperê". Agora sobre o axé: eu dizia a mim mesmo que o axé era um dos poucos estilos musicais vigentes no nordeste que ainda preservavam a cultura e as letras mais elaboradas, até que apareceu um tal de "Reboltation tion, Reboltation tion"... O que porra é aquilo?! Por último queria falar sobre um tipo de música que nem eu sei o nome, mas é o estilo que a Banda Grafith toca; não vou mentir que o ritmo das músicas são animadoras, mas as letras são completamente desprezíveis! Eu ainda tô pra ver uma música deles que tenha uma letra bem trabalhada e que fale de algo promissor.
    No passado, o nordeste tinha músicas com letras mais fortes e ritmos mais característicos, que retratavam as condições de vida e a rotina comum dos nordestinos; isso era legal!
    MAS nem tudo está perdido! *êêê...* Eu vejo (na verdade eu escuto) que novas bandas do mais variados estilos surgem pelas capitais, tocando desde rock até o pop. E diferente do esperado, as letras falam de algo realmente interessante, como as tão faladas diferenças sociais.

    Então é isso aí, pessoas! Vamos ouvir músicas que realmente façam a diferença e não se deixar levar por essas músicas que só aparecem como modinha de verão e de carnaval, vamos ouvir algo que dure pelo resto do ano!

    BeijosmeRuth à todos!

    Ouvindo agora: CPM 22
  • Sou Brasileiro...

    9 mar 2010, 23:53 av Bglauben

    ...e desisto fácil! Como eu disse no primeiro post, eu sempre quis ter um blog e comecei por aqui, mas eu queria uma páginas mais personalizada e decidi criar uma conta no MobileMe (serviço da Apple) para criar páginas. O primeiro post (de ontem) tava muito bom, tava muito bem, mas quando eu fui ver hoje, esse post tinha saído do ar...
    Depois eu fui criar um novo post e eu não consegui sair do canto! fiquei quase 1h tentando pensar em algo que simplismente não vinha! Aí somando esses dois fatores (o sumiço do primeiro post e a falta de criatividade do segundo) decidi excluir minha conta logo toda de uma vez! Pelo menos não terei que pagar US$99,00 todo ano rsrs.
    A boa notícia é que eu ainda tenho a esse blog do Last.fm e que eu consigo criar post que são feitos naturalmente, sem precisar ficar pensando por horas em algo pra escrever!

    Essa história me fez pensar na época que todos tinham blogs! Era legal ver que cada amigo de colégio criava usa própria página com suas próprias idéias com layouts (meu pc só aceita "leiaute" auwheuahweh) que caracterizavam os estilos de cada um... Eu achava incrível como todas as pessoas aprenderam a editar HTML espontaneamente, e eu não! Meus amigos até tentaram me ensinar, mas eu não fui capaz de decorar todos aqueles 1923821938 códigos e regras de digitação para algo sair certo (sem contar que eu nunca conseguia criar um layout bonito no Photoshop, eu fazia de tudo, menos um layout bonito). Então depois de TODOS esses eventos que circundaram minha vida junto com esses eventos mais recentes, eu cheguei a conclusão que não, eu NUNCA terei um blog legal e divertido como todos os meus amigos tiveram *se bem que essa moda de blog já passou há muito tempo; mesmo assim eu ainda QUERO um!*. O legal de ter um blog aqui é o fato de ficar todo reunido em uma só página que eu freqüentemente visito.

    SIIIM! Ontem eu descobri que algumas pessoas andaram vendo meus post aqui! Fiquei feliz por alguém nesse planeta ler isso aqui! xD

    Então é isso, pessoas, vamos todos nos contentar com esse blog e vamos também começar a visitá-lo mais, né?

    Até um futuro próximo!

    Música que não sai da cabeça: Dying In Your Arms
  • Top 10 - Álbuns que ouvi em 2008

    10 okt 2008, 21:02 av uLance

    Ultimamente, eu lembrei de fazer uma nova postagem aqui. Na verdade, eu não tinha me esquecido, mas batia aquela preguiça de digitar, e eu estava pensando num assunto interessante pra pôr aqui.Daí eu pensei em fazer uma lista dos melhores álbuns que eu ouvi durante o ano. Claro, difícil lembrar de tudo. Tive que remexer minhas lembranças para ver o que achava de melhor. Mas vamos ao que interessa. Segue o ranking:

    10: Buckethead - Population Override

    Ao lado do tecladista/produtor Travis Dickerson, Buckethead construiu esse ótimo trabalho. Foi o primeiro cd que eu ouvi dele, e a partir daí mergulhei de cara no universo do Cabeça de Balde. É muito legal poder notar o personagem que ele criou a partir da técnica incrível,da máscara, etc.Pra mim, os destaques do álbum são Unrestrained Growth, Clones e Cruel Reality of Nature. Mas todas as músicas estão bem caprichadas. É o trabalho mais "light" que eu ouvi dentre os que o Buckethead produziu. Por isso, ele ganhou o 10° lugar na minha lista, marcando presença como o único cd instrumental do meu Top Ten.

    9: Moptop - Como Se Comportar

    Ok. Já falei dele, vocês já leram sobre isso. Mas, se eu gostei tanto dele, por que ele não ficou lá no topo? Simples: a minha intenção ao fazer meu post anterior foi ressaltar a qualidade da banda Moptop e mostrar o quanto o grupo está à frente de outras bandas jovens brasileiras. Não que o álbum tenha ficado ruim, loge disso. Se fosse assim, ele nem entraria na lista. Sua vaga foi garantida tomando como base excelentes composições como Aonde Quer Chegar?, Beijo De Filme, 2046, entre outras. Ponto para os caras, que mandaram bem mais uma vez em Como se Comportar.

    8: The White Stripes - Elephant

    O mais famoso grupo da lista até agora, tinha que ter presença garantida aqui. É estranho, porque esse foi um cd que ficou muito tempo encostado no meu pc, eu nem ligava muito pra ele. De cara, só tinha gostado mesmo de Seven Nation Army. Até que um dia eu estava lendo um trecho de uma entrevista com o Slash, na qual ele diz que Jack White é o único guitarrista decente dessa nova geração. Então, eu resolvi dar mais uma chance à Jack & Meg. Não me arrependi. Esse álbum está cheio de belezuras: In the Cold, Cold Night, The Hardest Button to Button, Ball and Biscuit, Little Acorns, I Want to Be the Boy to Warm Your Mother's Heart e, claro, Seven Nation Army. É o melhor cd da dupla White. Ah, e achei o máximo quando soube que, na verdade, Jack e Meg não são irmãos, são um casal divorciado, porém unidos.

    7: Fee - We Shine

    Fee é o tipo de banda boa que ninguém conhece. We Shine revela a qualidade individual de cada membro e mostra também que o conjunto formado tem muita química musical. Destaco We Shine, Grace Will Be My Song, Broadcast, Happy Day e All Because of Jesus. Mas todas as músicas são muito boas. Riffs contagiantes, batidas marcantes e letras sinceras, tudo isso faz parte da gama de qualidades presentes no álbum We Shine.

    6: Paramore - RIOT!

    Muito bom esse aqui. Recomendo mesmo. Agrada a todo mundo. Hayley definitivamente tem uma voz marcante, as guitarras fazem daqueles riffs que ficam na cabeça durante muito tempo e as letras são bem construídas. Tem gente que pode achar meio emo(eu mesmo já achei, mas não tem nada a ver), mas ninguém pode negar que eles tem um balanço e uma ritmicidade própria, e é isso que fazem eles serem o que são. Eles ganharam até o prêmio VMB(embora eu ache que o Radiohead devia ter levado esse, daqui a pouco vou comentar sobre eles). É até meio chato destacar alguma, já que todas são boas. Minhas preferidas mesmo são Hallelujah e Born for This.

    5: Muse -Showbiz

    Muito bem. Essa é uma escolha bem particular. Não acho que todo mundo que ler isso e for escutar Showbiz ou qualquer outro trabalho dos Muse vá gostar. Eles tem um som bem diferente e muito particular e talvez por isso não são tão difundidos nessa cultura MTV de hoje. A começar pela voz de Matthew Bellamy, a qual muita gente acha esquista, mas eu sou fã declarado dela. Aí vem aquela atmosfera meio paradona e sombria com pianos rápidos, guitarras com distorção pesada e a bateria de Dominic Howard entrosadíssima com o baixo de Chris Wolstenholme. Isso é comprovado em canções como Sunburn, Sober, Showbiz e Cave, só pra citar algumas. Assim como foi RIOT!, de Paramore, todas as músicas aqui são extremamente boas. Do clima agitado das já citadas, parte também para a serenidade de Falling Down e Unintended, que lá fora fez um razoável sucesso junto com Muscle Museum. Escutem Showbiz. Mas eu vou avisando: é arriscado cair de cara no universo Muse(ou não).

    4: Coldplay - Viva la Vida or Death and All His Friends

    Primeiro, vamos corrigir uma coisa: o nome correto do álbum é Viva La Vida, e não Viva La Vida Or Death And All His Friends. Só que quando o cd foi lançado, a mídia deu a ele este último nome. Mas o Chris Martin já disse que pra eles, será sempre Viva La Vida. Eu postei o nome equivocado porque fica mais fácil de identificar o disco pelo Last.fm. De qualquer maneira, ele não deixa de ser mais um trabalho que deve ser lembrado com méritos por todos. É tanto que, mesmo depois de quase 5 meses desde a data de seu lançamento, contando ainda com os lançamentos de peso que foram lançados de lá pra cá(lê-se: Metallica), o disco continua com 2 faixas no top ten do Last.fm, sendo uma delas, Viva la Vida, a primeira há muito tempo. Outras canções boas de Viva La Vida são Lost!, Reign of Love, Lovers in Japan, 42, Life in Technicolor, que é uma das melhores canções introdutórias feitas esse ano. Acho que a pouca admiração que tenho pela também boaViolet Hill se deve ao enorme peso que a mídia deu, principalmente no Brasil: rádio, televisão, internet, era sempre ela. Tudo isso reflete a importância que o Coldplay tem no mercado. Paciência.

    3: Moptop - Moptop

    Quase que esse ficava em segundo. Mas não deu pros caras do Moptop. O 3° lugar é uma merecida posição pra banda, e que ainda trouxe dois álbuns pra minha lista. 20% das posições são suas, Moptop. O pódio não é nenhum exagero. Duvida? Escute Uma Chance, Leve Demais, Sempre Igual, Lugar Qualquer e, claro, O Rock Acabou. Desta última faixa, podemos tirar um dos solos mais singulares e contagiantes, sem deixar de ser simples, dos últimos anos no rock brasileiro. Na minha opinião, esse foi um dos melhores álbuns de 2006. Inspirado nos Strokes, sim. Mas também muito original. É tanto que eu gosto de Moptop mas não curto Strokes.

    2: Switchfoot - The Beautiful Letdown

    Esse álbum é fantástico. Foi uma das melhores coisas que eu já escutei na vida. Foi este disco que me fez gostar muito de Switchfoot. Foram praticamente perfeitos aqui, quase todos os sucessos deles estão presentes em The Beautiful Letdown. É o tipo de cd em que todas as músicas são ótimas, desde a já conhecida pela galera que assistiu Um Amor Pra Recordar, Dare You to Move, passando por Meant to Live(a melhor do disco), This Is Your Life, Ammunition e a tocante On Fire, são os principais destaques de TBL. Recomendo muito. Pra todos.

    1: U2 - How to Dismantle an Atomic Bomb

    Não teve jeito. Os outros podiam ter sido melhores como fossem, seria difícil bater How To Dismantle An Atomic Bomb, do U2. Dessa vez eles capricharam MESMO. Eu que nem era muito aí pra eles, quando ouvi esse cd, mudei completamente de idéia. Músicas belíssimas, sem exceção. Aqui eles foram perfeitos, essa é a definição. Não vou indicar nenhuma canção. Seria injusto. Mas não posso deixar de citar Vertigo, que é uma rara potência musical, fato difícil de acontecer hoje em dia. Na minha opinião, Vertigo é a melhor música dos U2. Álbum magnífico, não é à toa que ganhou 5 Grammys. O próprio Bono disse que ele era um dos melhores, senão o melhor da banda. A matriz do disco chegou a ser roubada antes mesmo do lançamento, forçando-os à lançar as músicas no iTunes Store. É o tipo de álbum que não pode passar despercebido por nenhum fã de rock.